Copa América Centenário traz de uma vez por todas o futebol aos Estados Unidos

8. O torneio internacional mais antigo do planeta completou um século, , disputado nos EUA, país no qual o futebol é o esporte que desperta menos interesse. Ou não?



Logo da Copa América Centenário 2016 realizada nos Estados Unidos

A realidade é que muitas coisas mudaram no futebol dos Estados Unidos desde 2004. Em um país onde há quatro esportes hegemônicos –futebol americano, basquete, beisebol e hóquei–, o futebol já estabeleceu as bases para ser o quinto. Aquele time que disputou a Copa de 1994 e chegou às oitavas de final, havia um zagueiro que se tornou conhecido por ousar com chutes de bicicleta. Marcelo Balboa lembra que os jogadores de futebol tinham que explicar a que se dedicavam. “Havia muita gente que não sabia quem éramos”, conta Balboa por telefone, de Denver, onde é comentarista esportivo. “Não acho que as pessoas tenham se dado conta até 2002”, quando a equipe nacional chegou às quartas de final na Copa da Coreia do Sul e Japão.

hqdefaultwe

Marcelo Balboa, zagueiro que se tornou conhecido por ousar com bicicletas

“A geração que nos viu jogar naquele Mundial agora tem filhos. São pessoas que já se educaram vendo futebol. Isso é fantástico”, diz Balboa. Pela primeira vez, explica o ex-jogador, há uma geração de torcedores que não só conhece futebol, como também praticou o jogo na escola, ao lado dos esportes dominantes. A cultura de futebol é mais profunda. E isso só pode crescer. “Há agora mais crianças praticando soccer que em toda a história”, diz Balboa. Pela primeira vez, de modo maciço, o futebol é algo que se vive em família.”

Os Estados Unidos são o segundo país onde mais gente joga futebol: 24,5 milhões de pessoas, segundo a FIFA, somente atrás da China (26,1 milhões) e à frente da Índia (20,5), Alemanha (16,3) e Brasil (13,2). São o segundo país com mais jogadores federados, 4,2 milhões, só ficando atrás da Alemanha (6,3). Na Copa da África do Sul, em 2010, a final foi vista por 24,3 milhões de espectadores. Na final do Brasil, em 2014, eram 26,5 milhões de espectadores nos EUA – foi a partida de futebol mais vista da história nesse país. Todos esses dados indicam um mercado em expansão para o futebol, talvez o único que resta, ao lado da China.

VIDA EUA: Você sabe o que é uma Soccer Mom?

usa94_opening_strip

Cerimônia de Abertura da Copa do Mundo de 1994 que foi realizada nos Estados Unidos





A CONSOLIDAÇÃO DO ‘SOCCER’

Os Estados Unidos são o segundo país onde mais pessoas jogam futebol: 24,5 milhões, segundo a FIFA, só perdendo para a China (26,1) e à frente da Índia (20,5), Alemanha (16,3) e Brasil (13,2). Além disso, são o segundo país com mais jogadores federados, 4,2 milhões, só atrás da Alemanha (6,3).

A final do Brasil 2014 foi acompanhada por 26,5 milhões de espectadores – a partida de futebol mais vista da história desse país–, um crescimento exponencial em comparação com os 24,3 milhões de norte-americanos que viram a final da África do Sul 2010.

A televisão norte-americana é a que oferece mais horas de futebol ao vivo do mundo, segundo um relatório publicado pela The Economist.

Em algumas pesquisas o futebol já aparece como o quarto esporte mais popular na televisão, à frente do hóquei, das corridas de carros, do tênis e do golfe.

Em um tradicional churrasco do Memorial Day, no mês passado, a final da Champions League do sábado entre o Real Madrid e o Atlético podia fazer parte da conversa tanto como as possibilidades do Golden State Warriors de chegar à final da NBA. A partida foi transmitida ao vivo pela Fox, com grande repercussão antes e depois. Não havia bar de esportes sem Champions nas telas. Todo torcedor de esporte nos EUA sabia que se jogava algo muito importante. “A final da Copa do Rei foi transmitida ao vivo pela ESPN”, explica Andy Markovits, cientista político da Universidade de Michigan e estudioso do esporte. “Há cinco anos, nenhum de meus alunos saberia o que era.” Da mesma forma, “há cinco anos ninguém saberia quem é Mourinho” e agora a notícia de sua contratação pelo Manchester United é uma entre tantas nos programas esportivos.

LEIA TAMBÉM: As maiores diferenças do futebol infantil nos Estados Unidos e no Brasil

A EQUIPE FEMININA

Alfonso Mondelo, diretor esportivo da Major League Soccer (MLS), calcula que entre 10 e 15 milhões de crianças no país praticam o futebol. São, além disso, filhos de “pais jovens que também jogaram futebol”. “Hoje, de 40 anos para baixo todo mundo jogou futebol neste país”, afirma Mondelo. A liga norte-americana tem também duas décadas e está entrando em sua segunda geração de torcedores. Os Estados Unidos estão construindo sua própria tradição de ver futebol em família. Os fundamentos já estão assentados.

Seleção americana de futebol feminino comemora a conquista da Copa do Mundo de 2015

Além do mais, há a seleção. Os norte-americanos podem viver a torcida coletiva pelo esporte de uma forma que o futebol americano e o beisebol não permitem. Por isso é fundamental para a arrancada definitiva do apego ao futebol em grande escala não só fazer um bom papel nesta Copa América, como também a classificação do país para o Mundial da Rússia em 2018. E também que os homens comecem a despertar tanto como a equipe feminina, que se transformou nestas duas décadas na melhor do mundo, com vitórias na Copa e nos Jogos Olímpicos.

Como acontecimento, a Copa América Centenário, teve o problema de coincidir com a Eurocopa, que está acontecendo na França. A luta pela audiência norte-americana está armada. Alfonso Mondelo confirmou que a Copa América foi o evento esportivo mais importante do verão nos Estados Unidos, à frente das corridas da Nascar, a temporada de beisebol e o US Open. Em algumas pesquisas o futebol aparece já como o quarto esporte mais popular na televisão, ultrapassando o hóquei, as corridas de carros, o tênis e o golfe.

“O ‘soccer’ mudou de verdade nos Estados Unidos”, afirma o professor Markovits. “Tudo isto não teria acontecido se não fosse aquela Copa e sem o sucesso das mulheres. Isto levou décadas e agora está decolando. Não acredito que seja na minha vida, mas em algum momento os Estados Unidos ganharão uma Copa.”



VIDA EUA: Como morar barato nos Estados Unidos

VIDA EUA: Os 10 maiores obstáculos para brasileiros que mudam para os Estados Unidos