Brasileira brilha e sonha em chegar a WMBA

O futuro do basquete brasileiro pode ter um DNA paraense como destaque. Isso porque a atleta Julynne Silva, 20, está cumprindo à risca a cartilha para chegar ao basquete profissional feminino dos Estados Unidos, alcançando um patamar elevado para os padrões da modalidade no Brasil.

As pivôs Julynne da Silva Sá, de 1,92m, e Ana Flávia Garcia de Souza, de 1,93m, convocadas pelo técnico Júlio César Patrício




“Saí com 15 anos de Belém, foi tudo muito rápido. Joguei alguns meses pelo Remo, mas quase não disputei competições. Joguei mais pela seleção paraense, quando tive a chance de disputar o Campeonato Brasileiro”, disse a jovem. Foi através da seleção paraense que a precoce carreira de Julynne ganhou um importante salto.

Com 1,90m de altura aos 15 anos, ela chamou a atenção do então técnico da Seleção Brasileira Sub-15, que acompanhou o desempenho da moça representando o Pará. Mesmo com a parte técnica precisando ser desenvolvida inicialmente, a aposta do treinador levou a paraense para São Paulo.

“Vieram olheiros e o então técnico da Seleção Brasileira (Cristiano Cedra) me viu jogar e me mandou para a Seleção Brasileira Sub-15. Eu só tinha altura, tinha acabado de começar a jogar basquete. Fiquei treinando na seleção e depois ele me indicou para o Osasco-SP. Joguei lá até meus 19 anos”, contou.

LEIA TAMBÉM: Desde 2002, Brasil não fica tanto tempo sem jogador escolhido no Draft da NBA

Chegada aos Estados Unidos

Julynne estava prestes a encarar uma dura realidade do esporte no Brasil, principalmente na categoria feminina.

Sem um calendário satisfatório e sem clubes estruturados, a paraense não queria deixar de jogar e, ao mesmo tempo, queria estudar.

Então, Cristiano Cebra, o mesmo técnico da Seleção Sub-15, gravou um vídeo com os melhores lances da jogadora e mandou para uma agência de talentos nos EUA.

O vídeo fez sucesso e a “basqueteira” nascida em Belém e criada em Barcarena foi convidada a ser recrutada pelo Jr College, categoria entre a escola e o universitário norte-americano, que ajuda jovens a praticarem esporte no período de adaptação.



Julynne Silva de 19 anos está na NORTHWEST COLLEGE no estado de WYOMING

“Nos Estados Unidos eu posso estudar um curso que ainda nem tem no Brasil, que engloba Educação Física e Fisioterapia, duas coisas que eu queria. No começo tive algumas dificuldades principalmente com a cultura, eu nem falava inglês. É tudo muito diferente”, revelou.

No Jr College, Julynne ainda precisa completar mais um ano de basquete e estudos. Depois disso, o caminho será o basquete universitário, o último nível antes de chegar na WNBA – liga profissional.

LEIA TAMBÉM: Jogadora de futebol se negou a jogar na seleção dos EUA por camisa do “orgulho gay”

LEIA TAMBÉM: Os 10 maiores obstáculos para brasileiros que mudam para os Estados Unidos

As universidades de Maine e de Arkansas, por exemplo, já manifestaram interesse em recrutar a belenense no próximo ano.

Na universidade, Julynne deve jogar mais dois anos antes do Draft, quando as equipes profissionais escolhem as melhores jogadoras.

Seleção Brasileira

Enquanto não retoma os treinos em solo norte-americano, a atleta mata a saudade da família no Pará. Com família dividida entre Barcarena e Belém, a moça aproveita o período para se manter em forma, treinando com o time masculino do Paysandu.

Cristiano Cebra gravou um vídeo com os melhores lances de Julynne e mandou para uma agência de talentos nos EUA

O objetivo de Julynne é chegar ao nível profissional e, consequentemente, chegar à seleção brasileira quando for adulta, sonho que não parece ser tão distante.

“Admiro muitas atletas, como a Érika, que é pivô e joga na mesma posição que eu, Clarissa e muitas outras. Eu estava em uma lista de convocação para a Seleção Brasileira Sub-17, mas nem cheguei a treinar, pois a CBB (Confederação Brasileira de Basquete) estava com contenção de gastos na época”, lamentou.

O final do Jr College e recrutamento universitário nos Estados Unidos inicia no final do ano letivo, no mês de maio de 2018.

Quando, então, poderemos saber o destino da jovem talento do Pará, que em até três anos pode chegar ao lugar mais desejado pelas meninas que amam basquete ao redor do mundo: a WNBA.

Por DOL


VIDA EUA: Como alugar uma casa na Florida
VIDA EUA: Como escolher onde morar nos Estados Unidos