Kaká é expulso após brincaderia com ex-companheiro de equipe

Adicionando mais lenha na utilização do Árbitro Assistente de Vídeo, Kaká, o jogador mais disciplinado que existe, foi expuso de campo durante a derrota do Orlando City.





Kaká coloca a mão no rosto do ex-companheiro de equipe Aurelin Collin, sendo expulso após o árbitro consultar o vídeo.

A revisão dos lances em vídeo é uma prática comum em outros esportes nos Estados Unidos, agora está sendo utilizada também no futebol. Até começou bem na MLS, mas teve uma aplicação bizarra neste fim de semana, quando Kaká, que joga pelo Orlando City, foi expulso na partida contra o New York Red Bulls, neste sábado, depois do árbitro rever um lance no vídeo, que não pode ser descrito de outra forma, que não uma loucura da arbitragem.

E isso prova que os árbitros de vídeo também erram e podem causar uma grande confusão. Como fizeram na partida que o Orlando City perdeu por 3 a 1  para o New York Red Bulls, com o placar já definido e o tempo nos acréscimos.

LEIA TAMBÉM: Léo Pereira começa a conquistar espaço no Orlando City

LEIA TAMBÉM: A loucura do futebol nos EUA: comprar uma franquia já custa quase R$ 500 milhões e tem fila de espera




Tudo começou com um pequeno desentendimento entre os jogadores do Orlando City eos  do New York Red Bulls na lateral do campo. Alguns jogadores batiam boca, quando em determinado momento, Kaká brincou com Aurélien Collin, seu ex-companheiro de Orlando, tapando a boca do jogador. Os dois ficaram rindo depois, juntos.

Pouco depois, o árbitro sinaliza que todo o lance está em revisão. Após a revisão, o árbitro distribui dois cartões amarelos para Sean Davis, do New York Red Bulls, e para Cristian Higuita, do Orlando City. Até aí, tudo bem. Só que do nada, veio com um cartão vermelho para Kaká. O brasileiro tentou argumentar com o árbitro e até Collin foi até lá explicar que tinha sido uma brincadeira e estava tudo bem. Não adiantou. O brasileiro acabou sendo expulso por conduta violenta. O árbitro não aceitou qualquer explicação.

O fato ocorrido é uma demonstração que a tecnologia pode ajudar, mas o árbitro, Jorge Gonzalez, e a equipe que fez a análise de vídeo é que precisam melhorar. Não adianta nada ter tecnologia se não se faz o uso correto da mesma. Foi exatamente o que aconteceu nesse caso. Pedir o auxílio do vídeo para dar as punições adequadas aos jogadores é perfeitamente aceitável. Só que deram um cartão vermelho que não fez o menor sentido, por uma interpretação sem nenhum cabimento.

Considerar o lance que você vê abaixo como conduta violenta é no mínimo equivocado:




VIDA EUA: Como alugar uma casa na Florida

VIDA EUA: Como escolher onde morar nos Estados Unidos